Administração Tá tudo na nuvem

Tá tudo na nuvem

-

Sou responsável pela parte de TI (Tecnologia da Informação) de um hospital no interior do estado e, há pouco tempo, entrei numa tremenda briga com o diretor. Todos os médicos da cidade haviam abolido as fichinhas de papel e aderido ao uso de um programa de computador que organiza todas as consultas em um prontuário eletrônico dos pacientes, que pode ser consultado e receber mais dados a qualquer hora pelo médico que o está atendendo. É um sistema muito prático, que evita a perda de dados, documentos, exames e enganos com caligrafia ruim (a gente sabe, né?…).

Prontuário Eletrônico

Mas o problema foi o seguinte: um dia desses, recebemos aqui no hospital um sujeito desacordado e desacompanhado. Um pedestre o encontrou caído perto de um beco e chamou a ambulância. Ele estava com os documentos e era paciente de um dos cardiologistas daqui da nossa cidade. Esse cardiologista se lembrava vagamente desse sujeito, e disse que ele tinha alergia a alguns medicamentos, mas não se lembrava quais. Como ele estava viajando para um congresso, seu consultório estava fechado – e a secretária aproveitou a viagem dele para viajar também.

Ou seja, não havia quem pudesse ir ao consultório para imprimir a ficha do rapaz e ver que alergias ele tinha. Como a condição dele piorou, o jeito foi testar e arriscar, na medida do possível. Um dos remédios para controlar a pressão que o plantonista aplicou era um dos proibidos – e o rapaz entrou em coma, situação que está durando até hoje.

Até onde era evitável?

Fiquei extremamente aborrecido com o que aconteceu. Uma informação importante como aquela e não tinha ninguém que pudesse acessá-la? Fui até o diretor para conversar sobre isso e perguntei por que ninguém havia tentado acessar do próprio hospital. “Porque aqui no hospital não temos esse sistema de prontuário eletrônico do paciente instalado”, ele me disse.  Estranhei e perguntei o motivo, e a resposta foi: “não é necessário”.

Havia um sujeito em coma internado ali conosco por falta de acesso às informações dele e o diretor me responde dessa maneira?? Não consegui me conter e iniciei uma discussão com ele – que, a bem da verdade, nem sabia quem era o tal paciente. Só tinha “ouvido falar”, mas não procurou saber mais nada a respeito.

Daí em diante, comecei uma briga muito séria lá dentro para conseguir autorização e recursos para instalar uma cópia do programa e passar a disponibilizar o acesso aos prontuários dos pacientes, fosse pelos médicos plantonistas, fosse pelos próprios médicos de cada paciente. O importante era ter acesso a todo o histórico clínico dos pacientes do hospital para que casos assim não acontecessem nunca mais. Eu fiquei realmente fulo da vida com o que tinha acontecido.

Quem era o paciente?

Em uma semana, consegui uma reunião com a diretoria toda, inclusive o setor financeiro. Estava com o orçamento do programa de prontuário eletrônico em mãos e uma lista de todos os benefícios que traríamos ao hospital e aos seus pacientes com a instalação do mesmo.

No dia da reunião, entretanto, o diretor não compareceu. Ele tinha ido ao CTI visitar um cunhado que estava em coma havia vários dias, por alergia medicamentosa. Sim, era o rapaz que chegou desacordado. Ele só soube quem era quatro dias depois, quando uma das enfermeiras foi informá-lo de que ainda não haviam conseguido contatar a família do paciente – e para resolver o problema, ele finalmente perguntou o nome do paciente. Que jeito de descobrir…

Terminamos a reunião com a conclusão de que deveríamos instalar o programa lá sim, e que o orçamento permitia que isso fosse feito. Com a ata assinada por todos, procurei o diretor no dia seguinte, que praticamente assinou sem ler, consentindo com o investimento e a instalação do prontuário eletrônico.

O atendimento melhorou muito depois da instalação, sendo que os próprios médicos passaram a ter mais segurança no tratamento de cada paciente ali, sabendo que todas as informações sobre eles estavam à mão. A pressão diminuiu e os casos de crises alérgicas provocadas por medicamentos caiu muito.

Mas o cunhado do diretor, esse ainda não saiu do coma.

Últimas Postagens

Tipos de Ansiedade: Livre-se deste mal!

Apesar de existirem tipos de ansiedade diferentes, nem sempre um transtorno precisa de tratamento. Dessa forma, este...

Qual o melhor Antidepressivo: Pergunte Aqui

Recebo muitas perguntas de pacientes que desejam saber “qual o melhor antidepressivo do mercado?” Bem, vamos à uma dessas...

Psiquiatra em Brasília | DF

Antes de saber onde encontrar o melhor psiquiatra em Brasília | DF, você precisa saber o que exatamente faz este...

O que é um Relacionamento Tóxico?

Afinal, você sabe o que é um relacionamento tóxico? Você desconfia ou sente que pode estar vivendo em um relacionamento...

Apostila de Haia, qual sua importância no processo de cidadania?

No processo de cidadania, um dos passos mais importantes para que os documentos oficiais a serem entregues sejam aceitos...

Lista de Dicas de SEO para Criação de Site

Nesta semana, recebi uma ligação com um pequeno empresário que está criando seu site novo utilizando WordPress. Ele...

Leia TambémRELACIONADOS
Recomendados para Você