Vivemos os dias da vaidade. As mulheres historicamente sempre tiveram grande preocupação com a aparência – e quem estuda Biologia Animal ou assiste a documentários relativos ao tema, sabe que é muito comum as fêmeas darem uma “dourada na pílula” pra atraírem um macho (ok, eu sei, em muitos casos é o macho que se produz todo). Mas vamos nos ater às humanas.

Mesmo durante a gestação, mulher nenhuma gosta de ficar “feia”. Ela quer a pele bonita, o cabelo arrumado e a roupa com caimento que a valorize. Aí é que entra o problema, cada vez mais comum: elas usam roupas de grávida, sim, mas no número errado. Vemos gestantes que mais se parecem com uma mortadela embalada à vácuo, apertadíssimas em fusôs, calças montaria e blusinhas/jaquetas que estão a meio centímetro de rasgar, de tão apertadas!

A mamãe mortadela e a mortadelinha interior

Moda Gestante

E quantas mulheres fazem questão de ressaltar as curvas com as tais roupas justas, não? Não se pode nem chamar de moda, ou tendência: caiu no gosto pra sempre de muitas brasucas por aí. A bem da verdade não tem nada de errado, desde que o “nível de justice” (rsrsrs) não esteja abusivo. Uma roupa justa não é sinônimo de roupa apertada – são coisas bem diferentes.

Vamos dar um exemplo. Uma calça jeans justa, tipo skinny, acompanha os contornos das pernas e dos quadris da mulher sem deformá-los. Uma calça APERTADA pode chegar a abrir um vão entre as coxas, e também aperta tanto a cintura/quadril da moça que deixa a região marcada – um amigo meu chama isso de “efeito colchão amarrado”. Soa maldoso, mas até que lembra mesmo! Calças muito apertadas chegam até a atrapalhar o jeito de andar!

Agora imagine essa pobre mocinha grávida e dentro de uma roupa dois números menor do que deveria? Não vai ser só suas gordurinhas que ela vai apertar: vai apertar o bebê também. E o problema não é só o desconforto; na verdade é bem pior. Roupas apertadas prejudicam a circulação – e prejudicam muito! Com a circulação prejudicada, a drenagem linfática que nosso corpo faz naturalmente se atrapalha toda. A pele sofre por estar pressionada e mal-nutrida e acaba em celulites. E o bebê? Ora, se a circulação dele se funde à da mãe, é claro que ele vai sofrer também, além do próprio desconforto de estar num lugar muito menor do que o adequado.

Liberte-se!

Moda Gestante

Não faça isso com você nem com seu bebê, gravidinha. A moda gestante atualmente apresenta tantas opções lindas! Algumas peças são tão versáteis que acompanham toda a gestação, principalmente blusinhas e batas. As calças muitas vezes acompanham mais da metade da gestação, só precisando de uma maior lá pro sétimo, oitavo mês. Isso, claro, se você não ganhar peso superior ao esperado. De todo jeito, é ótimo saber que existem opções pra deixar qualquer gestante na moda, bonita-linda-maravilhosa e confortável. Seu bebê vai ser o primeiro a agradecer, aliás! Vai poder se mexer e dar cambalhotas à vontade, sem sentir as paredes se fechando sobre ele, coitadinho.

A melhor dica é super simples: ao vestir a roupa, perceba se deu muito trabalho tanto para vestir quanto para tirar. Roupas apertadas dão muito trabalho nesses momentos, especialmente nas costuras sobre os braços (no caso das blusas) e na passagem do cós pelos quadris (no caso das calças). Se você precisou segurar a respiração para conseguir vestir, ou ficar puxando de um lado e de outro, de um lado e de outro várias vezes, já é sinal claro de que a roupa está pequena. Deixe-a de lado, sem culpa nem dó. Depois do parto elas vão entrar de novo. 😉

Ah! Mesma dica pros sapatos, viu?