A movimentação de cargas muito pesadas sempre foi um obstáculo na vida da humanidade, desde a pré-história até os dias atuais. O desenvolvimento da indústria e da tecnologia trouxe muito progresso, com máquinas e equipamentos capazes de auxiliar as pessoas nos serviços de elevação e movimentação de cargas. Talhas, pórticos, pontes rolantes e guindastes são algumas das mais conhecidas ferramentas nesse âmbito. Contudo, os pórticos e as pontes rolantes são constantemente confundidos. Por isso, é preciso esclarecer suas principais semelhanças e diferenças.

Entenda as diferenças entre pórticos e pontes rolantes

Pontes Rolantes

São equipamentos utilizados para movimentar cargas muito pesadas. Consistem em três elementos básicos: viga, talha e carro. Esses elementos conferem segurança e eficiência ao processo. Elas podem ser fixas ou móveis. Além disso, o mercado também conta com opções de viga única e de dupla viga, que permitem que cargas mais pesadas possam ser movimentadas, quando a força humana ou outras máquinas não são suficientes.

A ponte rolante é muito comum no ramo siderúrgico, atuando na fabricação do aço. Também é possível vê-la em portos, pois esses instrumentos ajudam a retirar cargas pesadas de dentro dos navios.

Pórticos

Assim como a ponte rolante, o pórtico serve basicamente para a mesma função: transportar cargas de peso extremo quando a força humana não dá conta. A principal diferença é que as pontes rolantes são mais altas, de modo que os trilhos são posicionados a uma altura bem acima das cabeças das pessoas, evitando o contato direto e colisões com outros equipamentos.

Os pórticos, por sua vez, são mais baixos e pelo menos um de seus lados estará se movimentando na altura das pessoas ou de outros objetos, que podem ser encarados como obstáculos.

Quando esses equipamentos devem ser utilizados?

A ponte rolante e o pórtico são itens que podem ser empregados quando as seguintes circunstâncias se apresentam:

  • É preciso mover cargas cujo peso é muito grande, e a movimentação não pode ser realizada por forças humanas individuais ou coletivas;
  • Empilhadeiras (manuais ou elétricas), guindastes, talhas e outros equipamentos de movimentação de cargas não são adequados à situação em questão;
  • O custo-benefício e a produtividade de outros meios de elevação e movimentação de cargas são inferiores.

Segurança

É sempre necessário ressaltar que a movimentação de cargas muito pesadas é sempre um ato delicado. É preciso comunicar as pessoas dos arredores sobre quando e como o procedimento ocorrerá. Os responsáveis pela movimentação da caga precisam estar concentrados e atentos ao movimento da carga, evitando que colida com qualquer obstáculo. Por fim, é preciso que os envolvidos utilizem os EPIs (equipamentos de proteção individual) necessários para mitigar riscos.