Antigamente o vento constante era uma característica das cidades litorâneas, onde não existe estação com mais ou com menos vento. Na maioria das cidades do interior, agosto era conhecido como o mês das pipas, já que a presença constante e forte do vento favorecia essa brincadeira entre as crianças e jovens – inclusive de pipas com cerol, que hoje configuram crime.

Com a interferência de fenômenos com El Niño e La Niña, esta força da natureza já não tem data certa para aparecer. Qualquer dia de qualquer mês do ano é propício para seu aparecimento, independente da aproximação de chuvas e outros fenômenos – salvo em cidades onde a geografia local seja desfavorável para a livre circulação do ar. E é assim que começa a história das portas batendo o ano todo. Quem tem a casa montada com porta balcão nem se preocupa com isso, mas quem tem portas convencionais…

BAM!!

Uma-porta-batendo-assusta-a-todos-de-um-prédio.E quando a porta que bateu está em um prédio?? Dependendo do tamanho desse imóvel, a pancada é sentida em todos os andares e o barulho pode ser ouvido até mesmo da rua. Uma batida de porta realmente é um evento dramático e “democrático”: todo mundo escuta!

Porta batendo se vê em todo lugar, óbvio, mas não é uma coisa que possa ser ignorada. O barulho da pancada pode acordar bebês, crianças, idosos e pessoas adoentadas – e em nenhuma dessas situações é recomendável que se interrompa o repouso, sobretudo assim, no susto! Pode inclusive ser perigoso para quem tem problemas cardíacos. Outro problema é o risco de ferimentos. Imagine se você está com a mão encostada no batente da porta e ela bater? Amputação imediata, dependendo da força! E se for uma criança? Melhor nem pensar…

Resolvendo o problema

Como já dissemos, quem tem porta balcão não sofre desse problema. Esse tipo de porta desliza em trilhos para ser aberta ou fechada, por isso não fica “solta” e à mercê do vento. Mas quem tem portas convencionais precisa achar uma solução que afaste tanto incômodo e tantos riscos.

A saída óbvia é achar uma forma de imobilizar a porta, já que não se pode impedir o vento de entrar em casa ou no trabalho. No mercado, encontram-se vários tipos de pesos de porta. Alguns são feitos de tecido e recheados com areia (alguns são em formato de bichinhos, bonecos engraçados e outros), outros são esculturas em monobloco feitas de madeira pesada, semelhante às carrancas.

Travas-de-portas-também-podem-ser-bastante-úteis.Contudo, alguns ambientes (e personalidades) pedem soluções mais sóbrias. Para estes, existem travas que se encaixam debaixo da porta e, por força do atrito com o piso, não permitem que ela se mova – neste caso, para fechá-la, é necessário remover a trava, pois ela não se permite arrastar junto com a porta, como acontece com os pesos de areia.

Existe ainda um sistema especial de trava e lingueta. Uma trava é parafusada nas costas da porta, e uma lingueta é parafusada na parede, coincidindo com a trava. Ao abrir a porta, ambas as peças se encaixam e se prendem por pressão. Resultado: porta paradinha no lugar, pois mais forte que seja o vento. Esta solução é interessante porque nenhuma das peças fica visível, como nas sugestões anteriores.

Nenhuma das soluções acima é cara e cada uma é eficiente à sua própria maneira. Escolha a que melhor se ajusta à sua necessidade e personalidade e mantenha suas portas paradinhas no lugar!